sexta-feira, 9 de março de 2018

Agarre com punhos fortes


Agarre com mãos fortes a felicidade que não é sempre pessoa ou algo concreto. É aquela sensação física de preenchimento, de que tudo está em seu devido lugar mesmo que nem dure o dia inteiro. (embora eu torça para que dure, para que esse sentimento de copo cheio e água calma do mar até o pescoço te abrace pelo tempo que der)
Agarre com punhos fortes porque ela é um trovão. A felicidade chega e muda tudo, você sente, e pode não acontecer o dia inteiro, mas você ouve o barulho, corre pra janela pra ver o estrondo e a luz que fica, o arroubo, esse atropelamento de euforia (que pode até vir de um acontecimento grandioso, mas no meu caso veio desses seus olhos cor de madeira, e daquele minuto em que você olhou pra mim, e sem saber, me quebrou ao meio.)
Segura, não deixa a felicidade ir, e na pior das hipóteses, se algo ou alguém te desviar desse caminho, fecha os olhos e volta para este lugar, para a música que você ama no fone de ouvido, para o ato, qualquer que seja o ato que te cure - escrever, cantar, correr, amar - para o cheiro de café da casa dos seus avós, para as primeiras horas de um domingo preguiçoso, sua solidão, você espalhada na cama sem ter hora, mas com um abacate maduro em cima da mesa da cozinha para ser café da manhã. Lembra do movimento do seu quadril, subindo e descendo em cima dele enquanto você assiste tudo pela sombra que se forma na parede, um cinema lindo, um bailado, as mãos surpreendentemente fortes, que mãos. Lembra dos primeiros minutos de um filme no cinema, do momento do show onde eles tocam a sua música favorita e você fecha os olhos e tudo faz um sentido absurdo mesmo sendo tão, tão pouco. Volta para esse lugar quando precisar, isso tudo é seu e de mais ninguém.
Amanhã, é até verdade, o amor pode acabar, o trabalho acabar, a saúde bambear, a infiltração aparecer no teto da casa, mas não importa, segura o trovão hoje, segura enquanto você sente, e joga os pedaços de pão pelo caminho da memória para que seja fácil retornar a ele.
E principalmente, não tenha medo da felicidade. Nada de mal vai te acontecer só porque você é feliz, ou porque quer ser. Sorrir é permitido, querer é permitido, e ficar bem também.
Eu prometo.

2 comentários:

  1. Nossa! Adorei teus textos!!! A Maria Ribeiro te citou em algum post no Instagram e eu fui para o teu perfil, e achei teu blog. Muito muito muito bom!
    Quero ler mais!
    Abraço

    ResponderExcluir